SMAS Sintra

Orçamento dos SMAS de Sintra ascende a 82,9 milhões de euros
Orçamento dos SMAS de Sintra ascende a 82,9 milhões de euros
Investimento de 15,5 milhões de euros em 2021
A Assembleia Municipal de Sintra aprovou os documentos previsionais dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS), constituídos pelo Orçamento, Grandes Opções do Plano, Plano Plurianual de Investimentos 2021/2025 e Mapa de Pessoal. Para 2021, o Orçamento dos SMAS de Sintra ascende a 82 milhões e 979 mil euros. “Os investimentos que integram o Orçamento foram ponderados numa ótica estratégica, com vista ao incremento da eficácia e eficiência, e possibilitam que os SMAS de Sintra continuem a recuperar infraestruturas existentes e obter recursos fundamentais para o exercício da sua atividade”, realça Basílio Horta, presidente da Câmara e do Conselho de Administração dos SMAS de Sintra, que dá conta da incerteza com que os serviços municipalizados se confrontam em período pandémico. No corrente ano, aliás, as medidas adotadas para mitigar os efeitos da situação pandémica, que reduziu em 35% a fatura dos utilizadores domésticos e de 20% para os não domésticos e isentou de pagamento os utilizadores das tarifas Sintra Social e Sintra Solidária, originaram uma diminuição de receitas de 4,3 milhões de euros,  o que foi minimizado através de uma rigorosa gestão da despesa. No capítulo da despesa, ao nível do funcionamento e pessoal, merecem registo os custos da aquisição de água à EPAL, na ordem dos 17,1 milhões de euros; o tratamento das águas residuais entregues ao sistema da Águas do Tejo Atlântico, cerca de 11,2 milhões de euros; e o aluguer operacional de viaturas de recolha de resíduos urbanos, no valor de 3,9 milhões de euros. O investimento ascende a 15,5 milhões de euros, abrangendo as três áreas de atuação: abastecimento de água, drenagem e tratamento de águas residuais e recolha e transporte de resíduos urbanos. Ao nível do abastecimento de água, os principais investimentos dizem respeito à renovação das redes de Algueirão, Mem Martins (com origem no reservatório de Ouressa), Portela de Sintra, Estefânia, Agualva e Morelena. Um conjunto de investimentos de remodelação das infraestruturas mais antigas, com maior índice de roturas, fundamentalmente em fibrocimento, no sentido de melhorar a eficiência do sistema de distribuição de água à população. As intervenções em curso, como a de Mem Martins (1,5 milhões de euros), inserem-se, ainda, no objetivo estratégico de prosseguir a redução dos níveis de água não faturada. “Apesar de termos registado a percentagem mais baixa de sempre em 2019 (18,7%), pretendemos manter esta trajetória descendente, tendo como objetivo consolidar um valor abaixo dos 20%”, salienta o presidente da Câmara Municipal e do Conselho de Administração dos SMAS de Sintra.   Outro investimento relevante assenta na remodelação/construção da rede de drenagem de águas residuais, em particular na União de Freguesias de São João das Lampas e Terrugem, com intervenções em Barreira, São Miguel e Funchal; Silva, Faião, Cabrela e Casais de Cabrela; e Areias e Alvarinhos. Também em Almargem do Bispo, encontram-se em fase de conclusão as empreitadas de construção da rede de saneamento em Camarões e do Emissário de Aruil. “Está projetado ainda o investimento na rede de quatro ecocentros municipais, com o início da construção de dois em 2021 (Vale Flores e Dona Maria) e execução dos outros dois projetos (Janas e Massamá Norte), bem como uma alteração profunda da contentorização instalada, o que se traduz num investimento global de oito milhões de euros”, frisa Basílio Horta. Entre 2021 e 2025, o Plano Plurianual de Investimentos dos SMAS de Sintra ascende a cerca de 84 milhões de euros.
Laboratório dos SMAS, 35 anos ao serviço de Sintra
Laboratório dos SMAS, 35 anos ao serviço de Sintra
Por ocasião do Dia Nacional da Cultura Científica (24 de novembro)*, os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Sintra assinalam os 35 anos do seu Laboratório, responsável por assegurar o controlo da qualidade da água distribuída no concelho. Criado em 1985, com a missão de controlar a qualidade microbiológica da água distribuída para consumo humano, o Laboratório dos SMAS de Sintra foi alargando as suas atribuições ao controlo de qualidade e análise dos parâmetros físico-químicos e, atualmente, está acreditado para 63 métodos analíticos, para águas de consumo, naturais doces e salinas, piscinas, residuais, lamas e a colheita de águas de consumo e naturais. A principal missão do Laboratório dos SMAS de Sintra é assegurar o controlo da qualidade da água distribuída e o cumprimento dos critérios legalmente fixados. Para esse efeito, é responsável anualmente pela elaboração do Programa de Controlo de Qualidade da Água (PCQA), submetido à aprovação da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR). O PCQA corresponde às análises efetuadas na torneira do consumidor, o que se traduz em cerca de 960 colheitas por ano, distribuídas pelas várias zonas de abastecimento do concelho de Sintra. [gallery columns="2" size="medium" ids="11730,11727"] Além do PCQA, o Laboratório desenvolve um programa de controlo operacional em pontos específicos da rede de distribuição, com o intuito de assegurar a melhoria contínua da qualidade da água fornecida, que corresponde a cerca de 1320 colheitas com análise de oito parâmetros. A este serviço compete ainda o controlo da higienização de reservatórios (70 colheitas anuais); controlo da desinfeção de novas estruturas de abastecimento (60); cumprimento do plano de descargas em pontos da rede que se consideram críticos (120); confirmação da origem de águas desconhecidas (30); monitorização da qualidade das águas sujas resultantes das lavagens de contentores (12); cumprimento das licenças de descarga das ETAR (1.400 amostras ano); ações de fiscalização das descargas industriais em coletor (90); e monitorização da qualidade de águas residuais afluentes ao sistema multimunicipal de saneamento de Lisboa e Vale do Tejo (64). [gallery columns="2" size="medium" ids="11731,11729"] O laboratório presta ainda serviços a clientes externos, que correspondem a cerca de 200 amostras anuais de várias origens como águas de furo com e sem tratamento, águas de poços, piscinas, industriais, entre outras. Os SMAS de Sintra são a maior entidade gestora dos sistemas públicos municipais de distribuição de água em Portugal, contando com mais de 190 mil clientes. Estes serviços municipalizados estão a investir, durante o triénio 2019/2021, mais de 50 milhões de euros na gestão e inovação dos sistemas de água e resíduos.   *O Dia Nacional da Cultura Científica assinala-se a 24 de novembro e foi instituído em 1996, por iniciativa do então ministro da Ciência e da Tecnologia, José Mariano Gago, para comemorar o aniversário do nascimento de Rómulo de Carvalho (1906-1997), notável professor de Física e Química, e divulgar o seu trabalho na promoção da cultura científica e no ensino da ciência.
“O que Cai ao Chão Cai ao Mar”
“O que Cai ao Chão Cai ao Mar”
Por um concelho, um país e um mundo mais verde e azul!
O Município de Sintra assinalou, esta quinta-feira, o Dia Mundial do Saneamento com a pintura de oito sarjetas no âmbito do projeto “O que Cai ao Chão Cai ao Mar”. A iniciativa decorreu na Portela de Sintra, junto à sede e às instalações operacionais dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Sintra, nas imediações da Universidade da Terceira Idade e da Escola Secundária de Santa Maria, e contou com a participação de alunos do 11.º ano (Curso Profissional de Técnico de Sistemas Solares) deste estabelecimento de ensino. Assumindo-se como uma parceria entre a Câmara Municipal de Sintra e os SMAS, o projeto “O que Cai ao Chão Cai ao Mar” compreende a pintura deste slogan nas sarjetas e sumidouros que têm como função a recolha e escoamento das águas pluviais, alertando para os resíduos que são lançados ao chão, como embalagens descartáveis, beatas de cigarro, copos de plástico, e que pela sua dimensão e leveza são direcionados para as sarjetas, as quais estão ligadas a linhas de água, como ribeiras ou rios e vão confluir no mar. Provocando a sua contaminação e entrando na cadeia alimentar dos animais marinhos. A contaminação que pode chegar ao nível de microplásticos, passíveis de serem incluídos no ciclo urbano da água e de entrarem na cadeia alimentar, são ainda uma preocupação para a sobrevivência dos organismos responsáveis pela fotossíntese existentes nos mares. “Calcula-se que cerca de 60% do oxigênio que respiramos vem dessas águas”.       Através de uma mensagem simples, o Município de Sintra alertou para as questões relativas à incorreta deposição dos resíduos e poluição da água, informando como os ecossistemas terrestres e aquáticos são diretamente afetados por estes fatores, que colocam em risco a sua biodiversidade.
Sintra valoriza resíduos alimentares
Sintra valoriza resíduos alimentares
Projeto desenvolvido em zonas piloto da freguesia de Rio de Mouro
O projeto piloto de recolha seletiva de resíduos alimentares já chegou a cerca de 1300 agregados familiares, em zonas piloto da freguesia de Rio de Mouro, num universo total de 4.752 fogos habitacionais e de 14.300 habitantes. Nas primeiras semanas do projeto piloto, já foram contactados cerca de 1300 agregados familiares, com mais de 500 a responderem afirmativamente. Oito dezenas recusou aderir a este novo sistema, com as recusas a relacionarem-se, em grande medida, com a prática de compostagem doméstica ou o encaminhamento de restos alimentares para alimentação animal. A par de algumas habitações devolutas, em cerca de 650 fogos os técnicos de sensibilização ambiental não obtiveram resposta ao contacto (será efetuada nova tentativa em breve). Iniciado a 19 de outubro, o novo sistema de recolha de biorresíduos desafia os munícipes a efetuarem a separação dos resíduos alimentares (restos de preparação e confeção de refeições, sobras de alimentos, restos de produtos frescos não embalados, como legumes, frutas, carnes, peixe, e pão e bolos) e acondicioná-los dentro de um saco específico, depositando-o, devidamente fechado, no contentor dos resíduos indiferenciados. Esses biorresíduos são encaminhados para valorização e utilizados para produção de biogás, a partir do qual se produz energia elétrica, e de composto orgânico, utilizado para enriquecimento dos solos. Desenvolvido pelos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Sintra, o novo sistema de recolha seletiva tem como lema “Bio-Recursos: demasiado bons para desperdiçar!” e abrange as seguintes localidades: A-dos-Francos, Albarraque, Bairro da Felosa, Bairro da Tabaqueira, Cabra Figa (de baixo), Casal do Marmelo, Covas, Manique de Cima, Moncorvo de Baixo, Moncorvo de Cima, Paiões, Rio de Mouro (velho), Serradas, Varge Mondar e Várzea. A implementação deste novo sistema tem sido precedida da distribuição de pequenos contentores e sacos específicos (de cor verde) para deposição destes resíduos, em simultâneo com uma ação de sensibilização ambiental, que apela a uma correta separação, informa sobre os procedimentos de deposição, bem como sobre as mais-valias deste novo sistema. A abordagem direta aos munícipes, através de técnicos devidamente identificados ao serviço dos SMAS de Sintra, é antecedida pela distribuição de materiais informativos nas caixas de correio. A adesão ao projeto é efetuada através do contacto 910 443 505. Os aderentes serão reconhecidos com o dístico “Porta-Recursos”, potenciando os efeitos de reconhecimento social pelo seu contributo na área ambiental. As famílias aderentes efetuam a separação e deposição dos restos de comida em sacos verdes produzidos com 100 por cento de plástico reciclado, que serão acondicionados na contentorização distribuída aos participantes. O saco deve ser bem fechado e colocado nos contentores de resíduos indiferenciados existentes na via pública. Os SMAS de Sintra procedem à recolha de indiferenciados e à sua entrega na Tratolixo (empresa intermunicipal de Sintra, Cascais, Oeiras e Amadora). Os sacos são depois triados em unidade de tratamento mecânico que, através de sistemas óticos, efetua a separação, permitindo o seu tratamento de forma diferenciada. Os ‘Bio-Recursos’ recolhidos serão valorizados para produção de biogás, a partir do qual se produz energia elétrica, e de composto orgânico, utilizado para enriquecimento dos solos, alavancando-se, desta forma, poupanças públicas e privadas na gestão dos resíduos urbanos, tendo igualmente em vista as metas preconizadas para o país no PERSU (Plano Estratégico para os Resíduos Urbanos) 2020+.       Para mais informações sobre este projeto: https://www.smas-sintra.pt/sustentabilidade-inovacao/bio-recursos-smas/
Atendimento Comercial
09:00h/17:30h
Leituras
24 horas
Resíduos Urbanos
24 horas
Avarias
24 horas
SMAS de Sintra investem em Almargem do Bispo
SMAS de Sintra investem em Almargem do Bispo
Intervenções em curso em Camarões e Aruil
Os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Sintra estão a concluir a empreitada de construção da rede de águas residuais em Camarões, na União de Freguesias de Almargem do Bispo, Pero Pinheiro e Montelavar, numa empreitada que representa um investimento de 749.175 euros, e que contempla, também, a remodelação das condutas de abastecimento de água e ramais domiciliários. Com cerca de mil habitantes, a localidade de Camarões não dispunha, até ao momento, de rede de drenagem de águas residuais. A rede em construção tem a extensão de 3.560 metros, com ligação à futura ETAR (Estação de Tratamento de Águas Residuais) de Camarões, que implica o lançamento de nova empreitada. O futuro equipamento foi dimensionado, para além de servir o aglomerado urbano consolidado, em função da existência de AUGI (Áreas Urbanas de Génese Ilegal), cujo processo de recuperação e legalização inclui a execução de sistemas de drenagem. Os trabalhos em curso em Camarões, que se encontram na reta final de execução, consistem ainda na remodelação das condutas de abastecimento de água e ramais domiciliários. Ainda em Almargem do Bispo, os SMAS de Sintra estão também a concluir a construção do emissário de ligação em Aruil, um investimento de 274.456 euros, que vai servir cerca de 1.780 habitantes. [gallery columns="2" size="medium" ids="11464,11463"] O emissário tem uma extensão de cerca de 1.900 metros e está a ser instalado ao longo da margem da ribeira da Ponte, um afluente da Ribeira de Pinheiro de Loures, assegurando a ligação ao emissário de Covas de Ferro/Albogas. Servindo 1.780 habitantes, o novo emissário vai encaminhar as águas residuais para o sistema a cargo da Águas do Tejo Atlântico (ex-SANEST). Esta empreitada surge na sequência da construção da rede de coletores nas povoações de Aruil, Biqueirão e Alveijar, concluída em final de 2019 e que representou um investimento de 1 milhão e 134 mil euros.
SMAS de Sintra reabilitam Reservatório da Amoreira  (São João das Lampas)
SMAS de Sintra reabilitam Reservatório da Amoreira (São João das Lampas)
Investimento de 300 mil euros na melhoria da eficiência da rede de abastecimento de água
Os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Sintra estão a reabilitar o Reservatório da Amoreira (São João das Lampas) e a remodelar a respetiva conduta distribuidora, num investimento de 300 mil euros. Iniciada em final de Setembro, a empreitada tem um prazo de execução de 180 dias. A intervenção decorre das diversas patologias do Reservatório da Amoreira (constituído por duas células semi-enterradas, com capacidade de 175 m³ cada). A empreitada contempla, assim, a impermeabilização interna das células (cobertura, paredes e fundo), a impermeabilização exterior da cobertura das células e câmara de manobras, assim como a intervenção ao nível do revestimento exterior das fachadas das células e câmara de manobras e dos revestimentos interiores da câmara de manobras e salas anexas. A empreitada implica, ainda, o desvio da conduta de saída do reservatório, atualmente implantada em terrenos particulares, com a existente a ser colocada fora de serviço. As obras compreendem um prolongamento da rede existente, que permitirá a ligação das condutas na Rua Principal e na Rua da Lomba e possibilitará o abastecimento a Odrinhas, Alvarinhos, até ao Pobral. Será instalada uma conduta DN 200 mm em PEAD (Polietileno de Alta Densidade), numa extensão de cerca de 640 metros.      O abastecimento alternativo será efetuado através da rede de abastecimento de Godigana, com a instalação temporária de uma válvula redutora de pressão, no cruzamento da Rua da Pedra D’Oira com o caminho de acesso ao reservatório.
SMAS de Sintra investem um milhão e meio de euros em Mem Martins
SMAS de Sintra investem um milhão e meio de euros em Mem Martins
Renovação da rede de abastecimento de água com origem no Reservatório de Ouressa
Os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Sintra estão a investir um milhão e 500 mil euros na remodelação da rede de abastecimento de água de Mem Martins, com origem no reservatório de Ouressa. A empreitada tem um prazo de execução de 30 meses e insere-se na estratégia do município das infraestruturas da rede de abastecimento, com o objetivo de melhorar o desempenho e eficiência do sistema, assim como reduzir a ocorrência de ruturas, beneficiando uma população estimada em 13 mil e 360 habitantes. “A necessidade de intervenção na rede de distribuição de Mem Martins fundamenta-se na inadequação das redes existentes às solicitações atuais, pelo elevado número de ruturas e pelos incómodos e prejuízos causados à população”, acentua Basílio Horta, presidente da Câmara Municipal de Sintra e do conselho de administração dos SMAS. A obra abrange a remodelação de todas as condutas em fibrocimento, numa área de intervenção de 5,5 quilómetros, que inclui, ainda, a substituição dos ramais domiciliários e implementação de uma Zona de Medição e Controlo (ZMC). À semelhança da empreitada em curso na Serra das Minas (Rio de Mouro), a obra vai contemplar a substituição dos equipamentos de deposição de resíduos urbanos, com a instalação de 234 contentores semienterrados (75 para resíduos indiferenciados, 53 de plástico/embalagens, 53 de papel/cartão e 53 de vidro), implementados em 53 pontos de deposição.         Os SMAS de Sintra são a maior entidade gestora dos sistemas públicos municipais de distribuição de água em Portugal, contando com mais de 190 mil clientes. Estes serviços municipalizados estão a investir, durante o triénio 2019/2021, mais de 50 milhões de euros na gestão e inovação dos sistemas de águas e resíduos.
Reabilitação da ETAR do Sistema 1 de Colares
Reabilitação da ETAR do Sistema 1 de Colares
Intervenção na estação elevatória
Os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Sintra promoveram a reabilitação da estação elevatória da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) do Sistema 1 de Colares, num investimento de cerca de 50 mil euros. A estação elevatória apresentava um acentuado estado de degradação, em particular ao nível dos respetivos elementos metálicos (tubagens de elevação, juntas e válvulas), o que representava um risco iminente de rotura. A esta estrutura são encaminhadas todas as águas residuais que entram no sistema, provenientes das estações elevatórias do Rodízio, Praia Grande, Praia das Maçãs e Azenhas do Mar, assim como as que provém graviticamente das povoações de Galamares, Vinagre, Eugaria, Penedo, Colares, Mucifal, Morelinho, Nafarros e Banzão, num sistema dimensionado para cerca de 30.000 habitantes. A estação elevatória intervencionada é crucial no funcionamento da ETAR, uma vez que, em caso de rotura ou falha de funcionamento, provocaria a descarga da água residual sem tratamento na Ribeira de Colares. Para realizar esta intervenção, sem interromper o tratamento de águas residuais, foi necessária a execução de um by-pass à estação elevatória, através da instalação de ligações provisórias e sistema de bombagem alternativo. Para reduzir o período de intervenção, os trabalhos decorreram em horário alargado e foram executados em dez dias. Localizada no Banzão, a ETAR do Sistema 1 da Bacia da Ribeira de Colares foi construída em 1996 e o esquema de tratamento é baseado no processo de lamas ativadas de tipo convencional, com digestão anaeróbia de lamas. A ETAR do Sistema 2 da Bacia de Colares está localizada na Ribeira de Sintra, dimensionada para 35.000 habitantes, e assegura o tratamento de águas residuais das localidades de Sintra, Ribeira e Várzea de Sintra, Lourel, Cabriz, Monte Santos e Carrascal.
Novo Reservatório de Casas Novas (Colares) já está em funcionamento
Novo Reservatório de Casas Novas (Colares) já está em funcionamento
Investimento superior a um milhão e 400 mil euros
Entrou em funcionamento, recentemente, o novo Reservatório de Casas Novas, em Almoçageme (freguesia de Colares), que representou um investimento dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Sintra de 1.389.623 euros. Situado na EN 247 (Colares/Pé da Serra), o novo reservatório vem beneficiar cerca de 5.500 habitantes, que eram servidos por um equipamento agora desativado (Casas Novas) e pelos reservatórios da Azóia e do Penedo. Esta empreitada conclui o sistema de abastecimento às localidades de Penedo, Casas Novas, Azóia, Atalaia e Ulgueira, assegurando a interligação deste subsistema de abastecimento com a rede geral dos SMAS de Sintra, permitindo regularizar os volumes de água de todo o setor da encosta da Serra de Sintra entre Casas Novas e Adraga. O novo reservatório, constituído por duas células semienterradas (com capacidade de 1500 m³/cada), vem aumentar o volume de reserva, aumentando a fiabilidade do abastecimento de água à população e a segurança no combate a incêndios, dada a sensibilidade e especificidade da zona onde está inserido (Parque Natural de Sintra-Cascais). Abastecido através de uma derivação da conduta gravítica Mercês-Pedras da Granja-Colares-Casas Novas, o novo equipamento assegura, com recurso a estações elevatórias, a adução aos reservatórios da Azóia e do Penedo. Para entrada em funcionamento do novo reservatório, foi necessário prolongar a rede de média tensão para abastecimento de energia elétrica, numa empreitada que implicou um investimento de 27.980 euros.       Os SMAS de Sintra são a maior entidade gestora dos sistemas públicos municipais de distribuição de água em Portugal, contando com mais de 190 mil clientes. Estes serviços municipalizados estão a investir, durante o triénio 2019/2021, mais de 50 milhões de euros na gestão e inovação dos sistemas de água e resíduos.
Sintra renova a rede de abastecimento de água na Serra das Minas
Sintra renova a rede de abastecimento de água na Serra das Minas
Investimento de um milhão e 844 mil euros
Os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Sintra têm em curso um investimento de um milhão e 844 mil euros na remodelação da rede de abastecimento de água na Serra das Minas, freguesia de Rio de Mouro.  A empreitada consiste na remodelação das infraestruturas de abastecimento de água em fibrocimento, redes antigas que apresentam perdas significativas de água, decorrente de roturas frequentes de difícil deteção, por se tratar de uma zona muito rochosa. “A necessidade de substituição de condutas deve-se à existência de roturas e fugas de água, motivadas pelo desgaste das tubagens em fim de vida útil, e à inadequação dos diâmetros das condutas”, frisa Basílio Horta, presidente da Câmara Municipal de Sintra e do conselho de administração dos SMAS, que realça que “a concretização destas obras vai possibilitar melhorar o desempenho da rede, a fiabilidade e conforto para os consumidores”.  A intervenção vai beneficiar uma população estimada em 12 mil habitantes, sendo substituídos todos os ramais domiciliários existentes, bem como a execução de ramais onde não existia abastecimento, o qual mantém como origem o Reservatório da Rinchoa. Para avaliar o desempenho da rede, está prevista a definição de Zonas de Medição e Controlo (ZMC). A obra contempla a execução de 11,3 km de novas condutas. Após a concretização da remodelação da rede, com a instalação de condutas em PVC (Policloreto de Vinilo), os SMAS de Sintra procedem à pavimentação das vias rodoviárias, assim como à execução dos pavimentos em calçada, no sentido de repor as condições de circulação rodoviária e pedonal na zona. A empreitada inclui, ainda, a substituição de contentores de superfície por equipamentos semienterrados de deposição de resíduos urbanos, correspondendo a 195 equipamentos, cuja aquisição motivou a abertura de um concurso específico por parte dos SMAS de Sintra, no valor global de cerca de 500 mil euros. Os SMAS de Sintra são a maior entidade gestora dos sistemas públicos municipais de distribuição de água em Portugal, contando com mais de 190 mil clientes. Estes serviços municipalizados estão a investir, durante o triénio 2019/2021, mais de 50 milhões de euros na gestão e inovação dos sistemas de água e resíduos.
SMAS de Sintra investem um milhão e 600 mil euros na Terrugem
SMAS de Sintra investem um milhão e 600 mil euros na Terrugem
Intervenção nas localidades de Silva, Faião, Cabrela e Casais de Cabrela
Os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Sintra estão a investir um milhão e 600 mil euros na remodelação das redes de abastecimento de água e construção das redes de drenagem de águas residuais domésticas em Silva, Faião, Cabrela e Casais de Cabrela, na União de Freguesias de São João das Lampas e Terrugem. A intervenção, com a duração de 900 dias, vai beneficiar cerca de 610 habitantes. A intervenção em Silva, Faião, Cabrela e Casais de Cabrela insere-se num plano de investimentos dos SMAS de Sintra, que ascende a 22 milhões e 246 mil euros no território da União de Freguesias de São João das Lampas e Terrugem. “O maior investimento dos SMAS é nesta freguesia, porque é aqui que é mais necessário, sendo um território muito vasto (87 km2). Esta intervenção insere-se na continuidade da estratégia da autarquia de investimento na melhoria dos sistemas de abastecimento de água e drenagem de águas residuais no concelho”, realça Basílio Horta, presidente da Câmara Municipal de Sintra e do conselho de administração dos SMAS de Sintra. A empreitada visa solucionar os atuais problemas da rede de abastecimento de água e assegurar as necessidades futuras. A rede de distribuição de água, numa extensão aproximada de cerca de 4 km, será construída em Polietileno de Alta Densidade (PEAD), assegurando, além do abastecimento de água às populações, o serviço de combate a incêndios, através da instalação de marcos de incêndio nos principais cruzamentos e bifurcações, com uma distância máxima de 200 metros. Com uma rede de coletores com cerca de 4,5 quilómetros, as águas residuais terão como destino final a futura ETAR de Cabrela. Os trabalhos contemplam a reposição dos pavimentos em todos os arruamentos abrangidos pela empreitada. O início das obras esteve previsto para o final de 2019, mas a empreitada foi suspensa por se desenvolver numa área de elevada sensibilidade arqueológica, o que obriga a um acompanhamento arqueológico e às necessárias autorizações por parte da Direção Geral do Património Cultural. Esta empreitada insere-se num projeto mais vasto que incluiu a construção das redes em Godigana e Carne Assada, um investimento de um milhão e 728 mil euros. Uma intervenção que beneficiou cerca de 450 habitantes. A rede de drenagem é constituída por duas bacias, incluindo a rede de coletores, uma estação elevatória de águas residuais em Casais de Cabrela e a construção das estações de tratamento de águas residuais (ETAR) de Godigana e da Cabrela. A ETAR de Godigana está concluída e representou um investimento de 394.530,79 euros.          Os SMAS de Sintra são a maior entidade gestora municipal de água e saneamento em Portugal, contando com mais de 190 mil clientes. Estes serviços municipalizados estão a investir, durante o triénio 2019/2021, mais de 50 milhões de euros na gestão e inovação dos sistemas de águas e resíduos.
Atendimentos presenciais encerrados
Atendimentos presenciais encerrados
Informamos que todos os atendimentos serão realizados exclusivamente por via telefónica e online.
União das Freguesias de S. João das Lampas e Terrugem – Interrupção do abastecimento de água
União das Freguesias de S. João das Lampas e Terrugem – Interrupção do abastecimento de água
Dia 2 de dezembro, das 09h00 às 13h00
Rua das Eiras, Mem Martins – Condicionamento de Trânsito
Rua das Eiras, Mem Martins – Condicionamento de Trânsito
De 07 de dezembro de 2020 a 06 de janeiro de 2021
Corte de trânsito Morelena, Pêro Pinheiro
Corte de trânsito Morelena, Pêro Pinheiro
De 03 de novembro a 31 de dezembro
Mem Martins – Condicionamento de Trânsito
Mem Martins – Condicionamento de Trânsito
De 01 de setembro a 30 de novembro