SMAS Sintra

Laboratório

A Qualidade da Água constituiu desde sempre, uma prioridade para os SMAS de Sintra. Com efeito, e ainda numa fase incipiente desta problemática a nível nacional, os SMAS de Sintra iniciaram em 1985 a sua atividade nesta área, com a criação do seu Laboratório, visando controlar a qualidade microbiológica da água.

Desde então foram alargando progressivamente a sua atividade às análises físico-químicas, tendo registado um aumento do número de parâmetros analisados e implementando novas técnicas analíticas. Em 1996, em paralelo com as crescentes preocupações ambientais, o Laboratório passou a analisar as águas residuais, contribuindo decisivamente a para o desenvolvimento sustentado do concelho de Sintra.

Até à data atual, o Laboratório continua a crescer e a adaptar-se às novas tecnologias, conjugadas com equipamentos de elevado desempenho que permite a realização de um vasto número de análises de diversos parâmetros nas várias tipologias de amostras como águas de abastecimento, águas residuais, águas balneares, piscinas, captações, ribeiras, furos, poços e outras.

O Laboratório dos SMAS-SINTRA possui recursos humanos altamente qualificados responsáveis pela execução das colheitas e análises, com elevada capacidade de resposta a todo do tipo de solicitações, acompanhados de um rigoroso controlo de qualidade analítico, garantindo a confiança e fiabilidade dos resultados obtidos.

A qualidade da água fornecida é controlada através da elaboração de um Programa de Controlo de Qualidade da Água – PCQA, que anualmente é submetido para aprovação da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR) no âmbito do Decreto Lei nº 306/2007 de 27 de agosto, com as alterações introduzidas pelo Dec. Lei nº 152/2017 de 7 de dezembro.

QUALIDADE DA ÁGUA - Resultados obtidos na água destinada ao consumo humano (ano 2020) *
Freguesias 1º Trimestre 2º Trimestre 3º Trimestre 4º Trimestre
Todas a Freguesias PDF PDF
Agualva PDF PDF
 Mira Sintra PDF PDF
Algueirão-Mem Martins PDF PDF
Almargem do Bispo PDF PDF
Pêro Pinheiro PDF PDF
Montelavar PDF PDF
Cacém PDF PDF
São Marcos PDF PDF
Casal de Cambra PDF PDF
Colares PDF PDF
Massamá PDF PDF
Monte Abraão PDF PDF
Queluz PDF PDF
Belas PDF PDF
Rio de Mouro PDF PDF
S. João das Lampas PDF PDF
Terrugem PDF PDF
S. Martinho PDF PDF
S. Pedro PDF PDF
Stª Maria e S. Miguel PDF PDF
 Resultados PCQA PDF PDF
 Zona de Abastecimento A PDF PDF
Zona de Abastecimento C PDF PDF
Zona de Abastecimento D PDF PDF

Fornecimento a municípios 1º Trimestre 2º Trimestre 3º Trimestre 4º Trimestre
Cascais PDF PDF
Loures PDF PDF
Mafra PDF PDF
Oeiras PDF PDF
Dureza

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), a dureza é medida como a capacidade da água reagir com o sabão. As incrustações das canalizações de água quente, das caldeiras e de outros equipamentos similares, aparecem devido às águas duras. Esta dureza é devido aos iões metálicos polivalentes existentes na água. Numa água macia, os iões responsáveis pela dureza, são essencialmente o cálcio e o magnésio. A dureza de uma água de consumo humano, em função da concentração equivalente em carbonato de cálcio, CaCO3, tem a seguinte classificação:

 Macia 0 a 60
Moderadamente dura 60 a 120
Dura 120 a 180
Muito dura > 180
Água de Consumo Dureza
(mg/L em CaCO3)

Grau de Dureza

Freguesia (mg/L em
CaCO3)
ºFrancês
ºF
ºInglês
ºI
ºAlemão
ºDG
mmol/L
Agualva-Mira Sintra 40 a 60 4 a 6 2,8 a 4,2 2,2 a 3,4 0,4 a 0,6
Algueirão-Mem Martins 40 a 60 4 a 6 2,8 a 4,2 2,2 a 3,4 0,4 a 0,6
Almargem do Bispo- Pero
Pinheiro- Montelavar
40 a 250 4 a 25 2,8 a 17,5 2,2 a 14 0,4 a 2,5
Queluz-Belas 40 a 60 4 a 6 2,8 a 4,2 2,2 a 3,4 0,4 a 0,6
Cacém- S. Marcos 40 a 60 4 a 6 2,8 a 4,2 2,2 a 3,4 0,4 a 0,6
Casal de Cambra 40 a 60 4 a 6 2,8 a 4,2 2,2 a 3,4 0,4 a 0,6
Colares 60 a 100 6 a 10 4,2 a 7 3,4 a 5,6 0,6 a 1
Massamá- Monte Abraão 40 a 60 4 a 6 2,8 a 4,2 2,2 a 3,4 0,4 a 0,6
Rio de Mouro 40 a 60 4 a 6 2,8 a 4,2 2,2 a 3,4 0,4 a 0,6
Sta. Maria e S. Miguel- S.
Martinho- S. Pedro de
Penaferrim
40 a 60 4 a 6 2,8 a 4,2 2,2 a 3,4 0,4 a 0,6
S. João das Lampas-
Terrugem
40 a 60 4 a 6 2,8 a 4,2 2,2 a 3,4 0,4 a 0,6

100mg/L em CaCO3 = 10º F = 7,0 ºI= 5,6º DG =1mmol/L

Acreditação

O Laboratório dotou-se de um sistema de Gestão da Qualidade, que permitiu o seu reconhecimento técnico em 2008, pelo Instituto Português de Acreditação (IPAC) atribuindo a Acreditação segundo a norma NP EN ISO/IEC 17025 para colheitas e ensaios. O Laboratório contrata outros parâmetros, para os quais não possui acreditação, a laboratórios acreditados. O Laboratório dos SMAS de Sintra também faz parte da lista de laboratórios reconhecidos pela ERSAR.

Para saber mais sobre as acreditações do Laboratório dos SMAS de Sintra, consultar o atual Anexo Técnico de Acreditação nº L0440, emitido pelo IPAC.

Áreas do laboratório:
  • Amostragem

O planeamento e acompanhamento de todas as colheitas de amostras de clientes internos e externos nas diversas matrizes é realizado por esta área, estando acreditada para colheitas de amostras de consumo humano e de água natural doce. A preservação e transporte das amostras assim como da preparação do material a utilizar também fazem parte das suas atribuições.

  • Físico-Química

A área de físico-química composta por uma zona de química clássica e uma zona instrumental, assegura a realização dos ensaios físico-químicos para os quais o Laboratório dos SMAS de Sintra possui acreditação nas diferentes matrizes: águas de consumo humano, naturais doces, piscinas e residuais.

  • Microbiologia

De igual forma, a área de microbiologia é responsável pela execução dos ensaios microbiológicos acreditados para clientes internos e externos para as diferentes tipologias de águas: consumo, naturais doces, naturais salinas, águas de processo, piscinas, residuais e lamas.

Atividades desenvolvidas pelo Laboratório

O Laboratório dos SMAS-SINTRA é responsável pela colheita e análise de águas de abastecimento, águas residuais, águas balneares, piscinas, captações, ribeiras, furos, poços e outras.

No controlo de águas de consumo humano inclui-se as análises efetuadas na torneira do consumidor (no âmbito do Programa de Controlo de Qualidade da Água – PCQA submetido anualmente), análises de controlo operacional em pontos específicos da rede de abastecimento, controlo da higienização de reservatórios, da rede de distribuição e controlo de desinfeção de novas estruturas de abastecimento.

Um forte contributo ao volume de trabalho do Laboratório são as análises realizadas para avaliação do cumprimento das licenças de descarga das Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) do concelho, as ações de fiscalização das descargas industriais em coletor e a monitorização da qualidade de águas residuais afluentes ao Sistema multimunicipal de abastecimento de água e de saneamento de Lisboa e Vale do Tejo.

O Laboratório presta também serviços a clientes externos, munícipes ou não, de acordo com o preçário e condições que podem ser consultados (aqui).

Para solicitação de serviços / análises preencha o formulário.

Atualizado a 12/10/2020