O Município de Sintra assinalou, esta quinta-feira, o Dia Mundial do Saneamento com a pintura de oito sarjetas no âmbito do projeto “O que Cai ao Chão Cai ao Mar”. A iniciativa decorreu na Portela de Sintra, junto à sede e às instalações operacionais dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Sintra, nas imediações da Universidade da Terceira Idade e da Escola Secundária de Santa Maria, e contou com a participação de alunos do 11.º ano (Curso Profissional de Técnico de Sistemas Solares) deste estabelecimento de ensino.

Assumindo-se como uma parceria entre a Câmara Municipal de Sintra e os SMAS, o projeto “O que Cai ao Chão Cai ao Mar” compreende a pintura deste slogan nas sarjetas e sumidouros que têm como função a recolha e escoamento das águas pluviais, alertando para os resíduos que são lançados ao chão, como embalagens descartáveis, beatas de cigarro, copos de plástico, e que pela sua dimensão e leveza são direcionados para as sarjetas, as quais estão ligadas a linhas de água, como ribeiras ou rios e vão confluir no mar. Provocando a sua contaminação e entrando na cadeia alimentar dos animais marinhos. A contaminação que pode chegar ao nível de microplásticos, passíveis de serem incluídos no ciclo urbano da água e de entrarem na cadeia alimentar, são ainda uma preocupação para a sobrevivência dos organismos responsáveis pela fotossíntese existentes nos mares. “Calcula-se que cerca de 60% do oxigênio que respiramos vem dessas águas”.

     

Através de uma mensagem simples, o Município de Sintra alertou para as questões relativas à incorreta deposição dos resíduos e poluição da água, informando como os ecossistemas terrestres e aquáticos são diretamente afetados por estes fatores, que colocam em risco a sua biodiversidade.

Atualizado a 19/11/2020